Categorias
Destaque Resenhas

Roda dos Excluídos – Uma obra prima do Punk rock cristão

A banda paulista, Pátria Celeste, acaba de lançar seu mais novo trabalho de estúdio, intitulado: Roda dos excluídos.

A banda paulista, Pátria Celeste, acaba de lançar seu mais novo trabalho de estúdio, intitulado: Roda dos excluídos.

Natural da cidade de Caçapava, a banda iniciou seus trabalhos no ano de 2001. Fundamentada em valores cristãos, traz consigo uma mescla de punk rock, hardcore e skacore. As músicas possuem temas sociais que abrangem a interação do ser humano com o universo a sua volta. Preconceito, hipocrisia, política e religião são amplamente abordados nas composições.
Em 2015 a banda lança o EP: Homen novo X Mundo Novo, com 6 faixas em formato físico e disponível em todas as plataformas digitais de streaming.

capa álbum homem novo x mundo novo

Desde então a banda vem divulgando as músicas do referido EP em diversos eventos pelo Brasil e a recepção sempre é muito boa por parte do público pois, a banda traz um carisma inconfundível em suas apresentações.

Em 2020 a banda presenteia seus fãs com mais um trabalho autoral. Intitulado Roda dos excluídos. Desta vez no formato “álbum” com 10 faixas onde a essência do som e estilo são rigorosamente mantidos com excelência!

A primeira faixa, traz a introdução de tudo que está por vir. Com a belíssima narração de um trecho do evangelho de Mateus, em seu capítulo 5, na voz de Miguel Árias, guatemalteco apresentador do programa “Catholic Rock and Metal Radio” que sempre presente nos grupos WhatsApp de rock católico do Brasil.

Embalada por “Perigo” com um punk rock bem característico e uma levada bem tradicional, o baixo inicia e essa poesia da banda se deslancha trazendo o tema do perigo que é ter a mente vazia nos tempos de hoje, onde o indivíduo se “cega” diante das tecnologias e esquece de condutas essenciais para a vida.

Na sequência a banda nos presenteia com a incrível faixa, “Redenção”. A música contém elementos que me faz lembrar muito de bandas de metal dos anos 80. Levada cadenciada, licks de guitarra e solos bem “oitentista”, baixo cativante, batera precisa deixam o conjunto da obra ainda mais especial. Uma das minhas prediletas! Esta faixa vem trazendo o tema “aparências”, isto é, aqueles que você acha que se preocupa com você, na verdade não estão nem aí, a música traz um choque de realidade onde, nem tudo que parede ser, é. Na maioria das vezes nos deparamos com situações que “achamos” que somos vistos, mas na verdade…”Eles não ligam pra você”.

Na maioria das vezes nos deparamos com situações que “achamos” que somos vistos, mas na verdade…”Eles não ligam pra você”.

Welder Sant

A próxima faixa, “A descoberta” traz o tema “conversão” com um refrão marcante e com licks de guitarra muito criativos e uma levada mais punk rock. A faixa conta com a participação nos vocais de Eduardo Teixeira e narra a história que se encaixa em muitos testemunhos de vida, onde o indivíduo passa a sentir o amor de Deus e a vida toma outro rumo.

Em seguida, temos a história de “Jhonny J”, um cidadão totalmente “alienado” que não ouve ninguém, acha que está tudo errado e a ninguém escuta. É o retrato de muitas pessoas do nosso cotidiano que ligam mais para o que a TV diz e esquece do “mundo real” que a rodeia.

Em seguida o baixo “palhetado” traz mais um som com uma cadência que motiva o ouvinte a agitar! Com uma abordagem mais relacionada às diferenças sociais, “Hipocrisia” traz o exemplo de São Francisco de Assis que foi exemplo de fraternidade e também que o verdadeiro Cristo está nos excluídos e a sociedade não enxerga. Essa faixa conta com a participação de Alexandre Patucci e traz um belíssimo arranjo e um solo de guitarra muito bem executado.

“Hipocrisia” traz o exemplo de São Francisco de Assis que foi exemplo de fraternidade e também que o verdadeiro Cristo está nos excluídos e a sociedade não enxerga.

Welder Sant

Na sequência vem “Amor e liberdade”, a música mais “lenta” do álbum com uma letra marcante que aborda a relação entre o amor e a liberdade no nosso cotidiano. Com um arranjo de baixo a la “Charlie Brown Jr” seguido de um solo de guitarra bem elaborado, fazem dessa música uma bela “balada dançante”.

Em “Seu nome é Jesus Cristo” a banda traz uma versão desse clássico da música litúrgico-pastoral, conta com a participação de Henrique da banda “Tautobios” de Fortaleza/CE. Essa música mostra as “faces de Cristo”, que por muitos passa desapercebidas, na forma de pobres e excluídos.
Em seguida temos “Alive Hope” uma faixa em inglês, algo inédito na carreira da banda até aqui. Traz um hardcore raiz com muita velocidade e energia.

Para finalizar, o disco traz 2 faixas do debut “Homem novo X Mundo Novo” de 2015. “Tem gente” e “Intervalo” foram remixadas e remasterizadas finalizando esse belíssimo trabalho em grande estilo, pois são clássicos da banda e merecia estar neste trabalho.

O álbum tem a produção de Vagner Alba e Pátria Celeste.
Gravado, mixado e masterizado no estúdio Oversonic por Vagner Alba, na cidade de São José dos Campos, em São Paulo.
Conta com composições de Wellington Lélis, Pedrão Ska e Humberto Silva.

Todo projeto gráfico e a arte da capa por: Mauro J Soares

Capa do álbum

Formação da gravação:

Wellington Lelis: Guitarra e vocal
Cristian Lelis: Baixo
Nino: Bateria
Ricardo “Rocky”: vocal

Atualmente a banda possui a seguinte formação:

Wellington Lelis: Guitarra e vocal
Guilherme Oliveira: Baixo
Nino: Bateria
Ricardo “Rocky”: vocal

E assim temos para apreciar esse “Obra prima” do rock cristão mundial! Um trabalho digno de premiações. Arranjos fiéis ao estilo da banda, letras com conteúdo ímpar, execuções primorosas com muita energia e “pegada”. Com certeza são faixas que não podem deixar de estar presentes em sua playlist.
Vale cada segundo esse álbum que já nasceu CLÁSSICO!

Por Welder Sant

Engenheiro, baixista da banda Chamado, esposo da Val e pai do Lorenzo.